O melhor é mesmo inimigo do bom?

Você está em movimento ou em ação? Opa! Não sabia que existe uma grande diferença entre esses dois estados? Será que está agindo em direção aos seus objetivos ou apenas sendo levado? Então pare tudo que está fazendo e descubra agora!


Você está em movimento ou em ação? Que papel está assumindo na história da sua vida?

Um professor na Universidade da Flórida dividiu seus alunos de fotografia em dois grupos:

O primeiro seria avaliado pelo valor “qualidade” e o segundo pela métrica “quantidade”. Ou seja, no grupo da quantidade 100 fotos significariam nota A, 90 fotos nota B, 80 fotos nota C, e assim por diante.

No grupo da qualidade bastaria o aluno concluir o semestre com uma única foto, desde, claro, que ela fosse espetacular.

No final do prazo, o professor Uelsmann ficou surpreso com o resultado: TODAS as melhores fotos foram produzidas pelo grupo da quantidade!

Compreendeu então que, durante o semestre, esses alunos estavam ocupados fazendo muitas fotos, experimentando a composição das cores, iluminação e etc, e, nesse processo, eles aprimoraram suas habilidades. Enquanto isso, o grupo qualidade se limitou a especular sobre a perfeição e no final tinha muito pouco a mostrar além de teorias não comprovadas e uma foto medíocre.

Interessante, não?

Esse estudo bate de encontro com o que Voltaire escreveu certa vez: “O melhor é o inimigo do bom”.

Pois é. Existe uma diferença muito grande entre estar em movimento e agir.

Quando você está em movimento significa que está planejando, criando estratégias e aprendendo. Claro que tudo isso é ótimo, mas estudar e planejar por si só não produz resultados. A ação, por outro lado, é um tipo de comportamento que produzirá um resultado, não importa qual seja ele.

Exemplificando:

-> Se eu descrever 20 ideias para artigos que quero escrever, isso é movimento. Se eu realmente me sentar e escrever um artigo, isso é ação.

-> Se eu procurar um plano de dieta melhor e ler alguns livros sobre o assunto, isso é movimento. Se eu comer uma refeição saudável, isso é ação.

Às vezes o movimento é útil, mas nunca produzirá um resultado por si mesmo. Não importa quantas vezes você vá conversar com o seu personal trainer, esse movimento nunca o colocará em forma. Somente a ação de se exercitar permitirá que você obtenha o resultado desejado.

Então, se o movimento não leva a resultados, por que fazemos isso?


Às vezes o fazemos porque realmente precisamos planejar ou aprender mais.

Mas, a grande verdade é que muitas vezes o fazemos porque o movimento nos permite sentir que estamos progredindo, sem, no entanto, corrermos o risco de fracassar!

Porque a maioria de nós é especialista em evitar críticas (inclusive eu!).

Portanto, se quer dominar um hábito a chave é começar com a repetição, não a perfeição. Você não precisa mapear todos os recursos de um novo hábito. Só é preciso praticá-lo. Isso mesmo.

Repetir. Repetir. Repetir!

A formação de um hábito é o processo pelo qual um comportamento se torna automático através da repetição. E repetição é uma forma de mudança.

Foi por isso que os estudantes que fizeram toneladas de fotos melhoraram suas habilidades. Eles estavam engajados na prática ativa enquanto o outro grupo na aprendizagem passiva.

O primeiro em ação, o outro, em movimento.

Dito isso, o mesmo se vale para nós, escritores e para as perguntas que os alunos constantemente me fazem:

-> Como sei que meu livro está bom?

-> Quando saberei que sou realmente um escritor e/ou estou melhorando na qualidade da minha escrita?

Escrevendo. Escrevendo. Escrevendo!


Como tudo na vida, a prática leva à perfeição!

Porque apesar de eu ler muito, amar aprender e estudar diariamente, sei que conhecimento sem ação é fogo que não queima.

Mas conhecimento com ação é sinônimo de resultados!

Então é isso, amigo(a), caminhe, ainda que lentamente, mas jamais recue!

Milhões de beijos e até a próxima,








SmartAutor: Seu livro. Sua arte. Seu negócio.


VAGAS ESGOTADAS!!!


Seja o primeiro a saber quando uma nova turma for aberta! Clica aqui!


6 visualizações0 comentário